nascer_sol_meditacoes_2018

A Lei Requer Perfeita Justiça

Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça. (Isaías 59:1-2).

Quando o homem transgrediu a lei divina, sua natureza se tornou má, e ele ficou em harmonia com Satanás, e não em desacordo com ele. Não existe, por natureza, nenhuma inimizade entre o homem pecador e o originador do pecado. Ambos se tornaram malignos pela apostasia. O Grande Conflito, 505.

O homem é cativo de Satanás, naturalmente inclinado a seguir suas sugestões e cumprir suas ordens. Em si mesmo, não tem poder para opor resistência eficaz ao mal. É só à medida que Cristo nele habita, pela viva fé, influenciando-lhe os desejos e fortalecendo-o com poder do alto, que pode o homem atrever-se a fazer face a tão terrível inimigo. Qualquer outro meio de defesa é inteiramente inútil. É unicamente por meio de Cristo que o poder de Satanás é limitado. É esta uma verdade momentosa, que todos deveriam compreender. Testemunhos para a Igreja, Vol.5, 294.

A lei requer justiça – vida justa, caráter perfeito; e isso não tem o homem para dar. Não pode satisfazer as reivindicações da santa lei divina. O Desejado de Todas as Nações, 762.

Toda a família humana transgrediu a lei de Deus, e como transgressor da lei, o homem está desesperançadamente arruinado, pois ele é inimigo de Deus, sem forças para fazer qualquer coisa boa. (Signs of the Times, 5 de dezembro de 1892). Mensagens Escolhidas, Vol. 1, 321.

Era possível a Adão, antes da queda, formar um caráter justo pela obediência à lei de Deus. Mas deixou de o fazer e, devido ao seu pecado, nossa natureza se acha decaída, e não podemos tornar-nos justos. Caminho a Cristo, 62.

Cristo Se prontificou a tornar-Se o penhor e substituto do homem, para que este, por meio de graça sem igual, tivesse outra prova – uma segunda oportunidade – tendo a experiência de Adão e Eva como advertência para não transgredir a lei de Deus como eles o fizeram. (Manuscrito 36, 1890). Fé e Obras, 21.

Cristo começou a obra da redenção exatamente onde se iniciou a ruína, e o bem-estar futuro do mundo dependia da batalha travada pelo Príncipe da vida no deserto. Sejam dadas graças a Deus porque Ele saiu vitorioso, passando pelo mesmo terreno onde Adão caíra e redimindo o infeliz fracasso de Adão. (Manuscrito 26, 1887). MM (Ano: 2002), Cristo Triunfante, 214.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2018, para o pôr-do-sol de 19 de janeiro de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *