parabola_img_destac

Comentário sobre a Parábola das Dez Virgens e Clamor da Meia-Noite

Não é exagero dizer que o tema da “Parábola das Dez Virgens & Clamor da Meia-Noite” é um dos mais essenciais para o adventismo de hoje, bem como um dos temas mais carentes de estudo aprofundado. A presente literatura que está agora ao alcance do leitor, chega a fim de remediar a falta de materiais que se aprofundam na aplicação profética desta parábola. Aplicação esta que tem relação intima com a história do movimento adventista.

Por que seria esse assunto um dos mais essenciais para nossos dias?

Antes de ser respondida esta pergunta, devemos analisar alguns textos da pena de Ellen G. White:

“A maior e mais urgente de todas as nossas necessidades é um reavivamento da verdadeira piedade entre nós. Buscá-lo deve ser nosso primeiro trabalho”. Review and Herald, 22 de março de 1887. Serviço Cristão, pág. 41.

Definida a maior e mais urgente necessidade, devemos agora entender a diferença de reavivamento e reforma. A mensageira do Senhor nos explica nas seguintes palavras:

“Precisa haver um reavivamento e uma reforma, sob a ministração do Espírito Santo. Reavivamento e reforma são duas coisas diversas. Reavivamento significa renovação da vida espiritual, um avivamento das faculdades da mente e do coração, uma ressurreição da morte espiritual. Reforma significa uma reorganização, uma mudança nas idéias e teorias, hábitos e práticas. A reforma não trará o bom fruto da justiça a menos que seja ligada com o reavivamento do Espírito. Reavivamento e reforma devem efetuar a obra que lhes é designada, e no realizá-la, precisam fundir-se”. Review and Herald, 25 de fevereiro de 1902. Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 128.

A partir dessas conclusões, cabe a nós descobrirmos que mensagem deve ser anunciada a fim de provocar um reavivamento, e por consequência uma reforma, visto que, o reavivamento operado pela guia do Espírito Santo, leva necessariamente, a frutos de justiça.

Tal como é comentado em “Nosso Fundamento e História”, temos, como movimento, dedicado bastante tempo ao estudo da Parábola das Dez Virgens. Isto não deve ser entendido como mero capricho humano, pois isso, é devido à clara instrução do Espírito de Profecia de considerá-la mais do que apenas uma simples parábola.

Veja o que a pena inspirada diz:

“Algumas vezes tem-me sido citada a parábola das dez virgens cinco das quais eram prudentes e cinco loucas. Esta parábola foi e será cumprida ao pé da letra, pois tem uma aplicação especial para este tempo, e, como a mensagem do terceiro anjo, tem se cumprido e continuará a ser Verdade Presente até o fim do tempo”. Review and Herald, 19 de Agosto de 1890.

“Todos detalhes desta parábola devem ser cuidadosamente estudados”. Review and Herald, 31 de Outubro de 1899.

“Todos precisamos estudar como nunca antes a parábola das dez virgens”. Man. 140, 1901. Comentário Bíblico, Vol. 4, pág. 1.179.

A partir destes conselhos inspirados, somos instados a nos determos, obedientemente, em um exame detalhado de cada ponto desta parábola. De acordo com o que lemos, se atesta que a parábola foi cumprida no passado, na experiência dos adventistas mileritas, debaixo das mensagens do primeiro e segundo anjo, e que seria cumprida novamente, debaixo da mensagem do terceiro anjo, e que iria até o fim do tempo como Verdade Presente. Neste ponto, já adentramos em um entendimento que quase sempre é negado pelas igrejas do adventismo, isto é, de que esta parábola têm duas aplicações proféticas. Tais igrejas crêem só em uma aplicação lá no passado, em 1844.

Uma exceção destacada está no livro “101 Respostas a Perguntas do Dr. Ford”, editado pelo IAE (Instituto Adventista de Ensino – SP). No livro é exposto o fato de que Desmond Ford criticou a divina inspiração de Ellen G. White. Pretendendo provar que ela teria entrado em contradição algumas vezes em seus escritos, ele cita um exemplo ao afirmar que ela aplicara a parábola para 1844, e também, para o tempo do fim. Nas páginas 80 e 81 é revelado que diante deste impasse, os autores admitiram duas aplicações da parábola das dez virgens. O lamentável é este reconhecimento ter sido apenas em uma circunstância atenuante, em vez de fazer parte do estudo profético da igreja.

Esta nossa literatura chega ao povo do advento com o sincero e solene propósito de reavivar os crentes na tríplice mensagem angélica, preparando assim um povo para estar em pé na grande crise final. Com esta publicação temos a fervorosa esperança de que muitas pessoas sejam despertadas pela mensagem do clamor da meia-noite. Esta mensagem é o ponto central a ser descoberto no estudo. Alguém pode estar se perguntando a esta altura: “não seria a mensagem da justificação pela fé a mensagem a ser apresentada para que ocorra o reavivamento?” Sem dúvida alguma!

Em todos os tempos, em todas as igrejas, a justiça de Cristo sempre é a mensagem decisiva para o futuro de uma igreja. No entanto, esta mensagem da graça pode ser apresentada de diversas maneiras. Ela não está presa a uma forma. Portanto, toda vez que falamos do óleo das virgens da parábola, estamos tratando do fator decisivo para a nossa salvação, ou seja, a atuação do Espírito Santo em nós. Vale ressaltar que o propósito de Deus de nos ter dado esta parábola profética não é o de apenas nos conceder uma nova forma de expor a mensagem da salvação. O Senhor quer informar a Sua igreja dos últimos dias acerca do momento específico da história terrestre em que ela se encontra. Fazendo isto, Ele tenciona alertar para o preparo que nos é requerido por vivermos no grande dia da expiação final e do juízo investigativo (GC 480, 489). Ao decorrer do estudo surgirá perguntas, tais como:

Quando começou a pregação da mensagem do primeiro anjo?

Por que o clamor da meia-noite causou o surgimento do movimento do advento separado das igrejas em 1844?

O que iniciou primeiro, o segundo anjo ou o clamor da meia-noite?

Como provamos a existência de uma aplicação da parábola em nosso tempo?

O que é o clamor da meia-noite para nossos dias?

As virgens loucas dormem novamente durante o clamor?

Quando se dará o selamento do povo de Deus conhecedor que não está em Babilônia – antes ou depois do decreto dominical?

A vinda do anjo de Apocalipse 18 se dará por ocasião de que evento?

Quando uma igreja que Deus escolheu se torna infiel, Ele escolhe outra?

Estas e muitas outras perguntas são respondidas com a iluminação da Bíblia e do Espírito de Profecia. Convidamos o leitor a analisar esta mensagem de bom grado no espírito de cristãos bereanos.   Destacamos ainda, que o leitor têm para seu auxílio durante todo o estudo, dois diagramas proféticos (primeira e segunda aplicação) com os principais eventos analisados.

Para concluirmos, lemos nos Testemunhos uma exortação a um melhor estudo do plano da redenção, principalmente quanto à parte final, a fim de preparar um povo que terminará a obra:

“O grande plano de redenção, conforme revelado na obra final para estes últimos dias, deve ser cuidadosamente estudado. As cenas relacionadas com o santuário celestial devem de tal modo impressionar o espírito e o coração de todos, que estes sejam capazes de impressionar também a outros. Todos precisam compreender melhor a obra da expiação que está sendo efetuada no santuário do Céu. Quando essa importante verdade for reconhecida e compreendida, os que a abraçaram trabalharão de acordo com Cristo, a fim de preparar um povo que esteja em pé no grande dia de Deus e seus esforços serão bem-sucedidos. Pelo estudo, meditação e oração, o povo de Deus será elevado acima do nível das idéias e sentimentos comuns e terrenos, e posto em harmonia com Cristo e Sua grande obra de purificação no santuário celestial. Sua fé O seguirá até dentro do santuário, e Seus adoradores na Terra terão o cuidado de passar em revista a sua vida, aferindo o seu caráter pelo grande padrão de justiça. Descobrirão seus próprios defeitos e reconhecerão também que necessitam do auxílio do Espírito de Deus a fim de estar habilitados para a grande e solene obra do presente tempo, que Deus impôs aos Seus embaixadores”. Ano: 1889. 5 TI 575.


Acesse a publicação da Parábola das Dez Virgens e Clamor da Meia-Noite e faça o download!

Um comentário em “Comentário sobre a Parábola das Dez Virgens e Clamor da Meia-Noite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *