nascer_sol_meditacoes_2018

O Proveito de Casas e Terras no Tempo de Angústia

Ai dos que ajuntam casa a casa, reúnem campo a campo, até que não haja mais lugar, e fiquem como únicos moradores no meio da terra! (Isaías 5:8).

Em vez de render a Deus os recursos que Ele colocou em suas mãos, muitos os empregam em mais terras. Esse mal está aumentando entre nossos irmãos. Testemunhos para a Igreja, Vol. 5, 151. [II TSM 43].

Tempo virá em que de modo algum poderemos vender. Logo sairá o decreto proibindo os homens de comprar ou vender a qualquer pessoa senão aos que tenham o sinal da besta. […] Esse será um tempo decisivo para os filhos de Deus, um tempo de tribulação tal como nunca ocorreu antes. Agora é nossa oportunidade de trabalhar. Ibidem, 152.

Agora é demasiado tarde para apegar-se a tesouros terrenos. Em breve, casas e terrenos desnecessários não terão nenhum proveito para quem quer que seja, pois a maldição de Deus recairá cada vez mais intensamente sobre a Terra. É feito o apelo: ”Vendei os vossos bens e dai esmola.” Luc. 12:33. Esta mensagem deve ser transmitida fielmente – inculcada ao coração das pessoas – para que a propriedade de Deus retorne a Ele em oferendas para o avanço de Sua obra no mundo. (Carta 136, 1902 – Manuscript Releases, vol. 16, pág. 348). Eventos Finais, 261.

Casas e terras serão de nenhuma utilidade para os santos no tempo de angústia, pois terão de fugir diante de turbas enfurecidas, e nesse tempo suas posses não podem ser liberadas para o progresso da causa da verdade presente… Foi-me mostrado que é vontade de Deus que os santos se libertem de todo embaraço antes que venha o tempo de angústia, e façam um concerto com Deus mediante sacrifício. Se eles puserem sua propriedade no altar do sacrifício e ferventemente inquirirem de Deus quanto ao seu dever, Ele lhes ensinará sobre quando dispor dessas coisas. Então estarão livres no tempo de angústia, sem nenhum estorvo para sobrecarregá-los.

Vi que se alguém se apegar a sua propriedade e não inquirir do Senhor quanto ao seu dever, Ele não fará conhecido esse dever, sendo-lhes permitido conservar sua propriedade, e no tempo da angústia isso virá sobre eles como uma montanha para esmagá-los, e eles procurarão dispor dela, mas não será possível. Primeiros Escritos, 56-57.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2018, para o pôr-do-sol de 16 de novembro de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *