reflexoes2017_img_destac

Os Salmos de Davi (Parte 3)

Ouve, SENHOR, a minha oração, e inclina os teus ouvidos ao meu clamor; não te cales perante as minhas lágrimas, porque sou um estrangeiro contigo e peregrino, como todos os meus pais. Salmos 39:12.

Em sua longa vida, Davi não encontrou na Terra lugar de descanso. ”Somos estranhos diante de Ti e peregrinos como todos os nossos pais”, disse ele; ”como a sombra são os nossos dias sobre a Terra, e não há outra esperança.” I Crôn. 29:15.

”Deus é o nosso refúgio e fortaleza,

Socorro bem presente na angústia.

Pelo que não temeremos, ainda que a Terra se mude,

E ainda que os montes se transportem para o meio dos mares.

”Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus,

o santuário das moradas do Altíssimo.

Deus está no meio dela; não será abalada;

Deus a ajudará ao romper da manhã.

O Senhor dos Exércitos está conosco;

O Deus de Jacó é o nosso refúgio.” Sal. 46:1, 2, 4, 5 e 7.

”Este Deus é o nosso Deus para sempre;

Ele será nosso guia até à morte.” Sal. 48:14. Educação, 165.

Davi compôs salmos, não somente para o uso dos sacerdotes no serviço do santuário, mas também para serem cantados pelo povo em suas jornadas ao altar nacional nas festas anuais. A influência assim exercida era de grande alcance, e teve como resultado libertar da idolatria a nação. Muitos dos povos circunvizinhos, vendo a prosperidade de Israel, eram levados a pensar favoravelmente acerca do Deus de Israel, que havia feito tão grandes coisas por Seu povo. Patriarcas e Profetas, 711.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2017, para o pôr-do-sol de 25 de agosto de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *