Capa Divindade Triúna_2

A Plenitude da Divindade de Jesus

Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. Colossenses 2:9.

E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Miquéias 5:2.

 

            Mensagens portadoras de credencias divinas foram enviadas ao povo de Deus. A glória, a majestade, a justiça de Cristo, cheias de bondade e verdade, se apresentaram. A plenitude da Divindade em Jesus Cristo foi apresentada entre nós com beleza e encanto para atrair todos aqueles cujo coração não está cerrado por preconceito. Sabemos que Deus operou entre nós. Review and Herald, 27 de março de 1890.

            Há luz e glória na verdade de que Cristo era um com o Pai antes de terem sido lançados os fundamentos do mundo. Esta é a luz que brilhava em lugar escuro, fazendo-o resplender com a divina glória original. Esta verdade, infinitamente misteriosa em si, explica outros mistérios e verdades de outro modo inexplicáveis, ao mesmo tempo que se reveste de luz inacessível e incompreensível. (RH, 5 de abril de 1906). Mensagens Escolhidas, Vol. 1, 248.

            Por mais que um pastor ame a suas ovelhas, ama ainda mais a seus próprios filhos e filhas. Jesus não é somente nosso pastor; é nosso ”eterno Pai”. Desejado de Todas as Nações,  483.

            Antes de serem criados homens ou anjos, a Palavra [ou Verbo] estava com Deus, e era Deus.

               O mundo foi feito por Ele, ”e sem Ele nada do que foi feito se fez”. João 1:3. Se Cristo fez todas as coisas, existiu Ele antes de todas as coisas. As palavras faladas com respeito a isso são tão positivas que ninguém precisa deixar-se ficar em dúvida. Cristo era, essencialmente e no mais alto sentido, Deus. Estava Ele com Deus desde toda a eternidade, Deus sobre todos, bendito para todo o sempre. (RH, 5 de abril de 1906). Mensagens Escolhidas, Vol. 1, 247.

Leia Mais

Capa Divindade Triúna_2

O Sinal de Entrada para o Reino

Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Mateus 28:19.

 

Fazendo do batismo o sinal de entrada para o Seu reino espiritual, Cristo o estabeleceu como condição positiva à qual têm de atender os que desejam ser reconhecidos como estando sob a jurisdição do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Antes que o homem possa obter abrigo na igreja, antes mesmo de transpor o limiar do reino espiritual de Deus, deve receber a impressão do nome divino – ”O Senhor Justiça Nossa”. Jer. 23:6.

Simboliza o batismo soleníssima renúncia ao mundo. Os que ao iniciar a carreira cristã são batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, declaram publicamente que renunciaram ao serviço de Satanás, e se tornaram membros da família real, filhos do Rei celestial. Obedeceram ao preceito que diz: ”Saí do meio deles, e apartai-vos, … e não toqueis nada imundo.” Cumpriu-se em relação a eles a promessa divina: ”E Eu vos receberei; e Eu serei para vós Pai, e vós sereis para Mim filhos e filhas, diz o Senhor todo-poderoso.” II Cor. 6:17 e 18. Testemunhos para a Igreja, Vol. 6, 91.

As águas cobrem o candidato e, na presença de todo o universo celestial, é feito um compromisso mútuo. No nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo a pessoa é imersa na tumba líquida, sepultado com Cristo no batismo e erguido da água para viver uma nova vida de lealdade a Deus. Os três grandes poderes do Céu são testemunhas, invisíveis, mas presentes. (Man. 57, 1900). Comentário Bíblico, Vol. 6, 1074.

O Pai, o Filho e o Espírito Santo, poderes infinitos e oniscientes, recebem os que verdadeiramente entram em relação de aliança com Deus. Estão presentes em cada batismo, para receber os candidatos que renunciaram ao mundo e receberam a Cristo no templo da alma. Esses candidatos entraram para a família de Deus, e os seus nomes estão escritos no livro da vida do Cordeiro. (Man. 271/2, 1900). Idem, 1075.

O Pai, o Filho e o Espírito Santo estão buscando e desejando encontrar canais, pelos quais possam comunicar ao mundo os divinos princípios da verdade. Testemunhos para a Igreja, Vol. 8, 194.


Reflexão Semanal para o pôr-do-sol de 8 de Janeiro de 2021

Leia Mais

reflexoes_2020

Os Dias Escuros

Exultai, ó céus, e alegra-te, ó terra, e vós, montes, estalai com júbilo,
porque o SENHOR consolou o seu povo, e dos seus aflitos se compadecerá. Isaías 49:13.

 

Para os que, nos dias escuros, julgam que Deus os esqueceu, eis a mensagem do coração do Pai: ”Sião diz: Já me desamparou o Senhor; o Senhor Se esqueceu de mim. Pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que se não compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas, ainda que esta se esquecesse, Eu, todavia, Me não esquecerei de ti. Eis que, na palma das Minhas mãos, te tenho gravado.” Isa. 49:14-16.

Toda promessa na Palavra de Deus nos fornece assunto de oração, apresentando a empenhada palavra de Jeová como nossa garantia. Seja qual for a bênção espiritual de que necessitemos, cabe-nos o privilégio de reclamá-la por meio de Jesus. Podemos dizer ao Senhor, com a singeleza de uma criança, justamente o que necessitamos. Podemos declarar-Lhe nossos negócios temporais, pedindo-Lhe pão e roupa da mesma maneira que o pão da vida e o vestido da justiça de Cristo. Vosso Pai celeste sabe que tendes necessidade de todas estas coisas, e sois convidados a pedir-Lhas. É mediante o nome de Jesus que se recebe todo favor. Deus honrará esse nome, e suprirá vossas necessidades dos tesouros de Sua liberalidade.

Não esqueçais, porém, que, ao vos chegardes a Deus como vosso Pai, reconheceis vossa relação de filho. Não somente confiais em Sua bondade, mas em tudo vos submeteis ao Seu querer, sabendo que Seu amor é imutável. Entregai-vos para fazer-Lhe o serviço. Foi àqueles a quem Jesus mandou que buscassem primeiro o reino de Deus e Sua justiça, que Ele deu a promessa: ”Pedi e recebereis.” João 16:24.

Os dons dAquele que tem todo poder no Céu e na Terra, estão reservados para os filhos de Deus. Dons tão preciosos que nos advêm por intermédio do precioso sacrifício do sangue do Redentor; dons que satisfarão os mais profundos anseios do coração; dons tão perduráveis como a eternidade, serão recebidos e desfrutados por todos os que se aproximarem de Deus como criancinhas. Tomai as promessas de Deus como vos pertencendo, alegai-as diante dEle como Suas próprias palavras, e recebereis a plenitude da alegria. O Maior Discurso de Cristo, 133-134.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 13 de novembro de 2020.

Leia Mais

reflexoes_2020

O Primeiro a Suspeitar

Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Mateus 7:4.

 

O pecado que conduz aos mais infelizes resultados, é o espírito frio, crítico, irreconciliável que caracteriza o farisaísmo. Quando a experiência religiosa é destituída de amor, aí não Se encontra Jesus; aí não está a luz de Sua presença. Nenhuma atarefada atividade ou zelo sem Cristo pode suprir a falta. Haverá talvez uma admirável percepção para descobrir os defeitos dos outros mas a todos quantos condescendem com esse espírito. […] Aquele que é culpado de erro, é o primeiro a suspeitar do erro. Condenando o outro, está ele procurando ocultar ou desculpar o mal do próprio coração. Foi por meio do pecado que os homens adquiriram o conhecimento do mal; tão depressa havia o primeiro par pecado, começaram a se acusar um ao outro e é isto que a natureza humana inevitavelmente fará, quando não se ache controlada pela graça de Cristo. O Maior Discurso de Cristo, 126.

Jesus manda que o acusador tire primeiro a trave de seu olho, renuncie a seu espírito de crítica, confesse e abandone o próprio pecado, antes de procurar corrigir a outros. Porque ”não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto”. Luc. 6:43. Esse espírito de acusação com que condescendeis é um fruto mau, e mostra que é má a árvore. Inútil vos é edificar-vos sobre a justiça própria. O que necessitais é mudança de coração. Precisais dessa experiência antes de vos achardes habilitados a corrigir os outros pois ”do que há em abundância no coração, disso fala a boca”. Mat. 12:34.

Ao sobrevir uma crise na vida de qualquer alma, e tentardes dar conselho ou advertência, vossas palavras só exercerão, no bom sentido, o peso e a influência que vos houverem adquirido vosso exemplo e espírito. Precisais ser bons para que possais fazer o bem. Não vos será possível influenciar os outros a se transformarem enquanto vosso coração não se houver tornado humilde, refinado e brando por meio da graça de Cristo. Quando esta mudança se houver operado em vós, ser-vos-á tão natural viver para beneficiar a outros, como o é para a roseira dar suas perfumosas flores, ou a videira produzir purpurinos cachos. Idem, 127-128.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 25 de setembro de 2020.

Leia Mais

Globo

Uma Ponte sobre o Abismo

“Por que Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu filho unigênito, para que todo o que nÊle crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16).

Certa vez Jacó, o patriarca, neto de Abraão, teve um sonho. Isto aconteceu quando ele partiu, ou melhor, quando fugia de seu irmão Esaú, que irado, queria matá-lo. A contenda surgira por causa de direito de primogenitura ou por assim dizer, por causa de herança. Mas, aí é outra história. Voltemos ao sonho, deixando que a própria Bíblia, a Escritura Sagrada, passe o relato correto: “partiu Jacó de Berseba e seguiu para Harã. Tendo chegado a certo lugar, ali passou a noite, pois já era sol-posto; tomou uma das pedras do lugar, fê-la seu travesseiro, e se deitou ali mesmo para dormir. E sonhou: Eis posta na terra uma escada, cujo topo atingia o céu; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela. Perto dele estava o Senhor, e lhe disse: Eu sou o Senhor teu Deus, Deus de Abraão, Teu pai, e Deus de Isaque. A terra em que agora estás deitado, eu te darei, a ti e a tua descendência. A tua descendência, será como o pó da terra; estender-te-ás para o Ocidente e para o Oriente, para o Norte, e para o Sul. Em ti e na sua descendência serão abençoadas todas as famílias da terra. Eis que Eu estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei voltar a esta terra, porque te não desampararei, até cumprir Eu aquilo que te hei referido.

 

Despertando Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar, e eu não sabia. E, temendo disse: Quão temível é este lugar! É a casa de Deus, a porta dos céus. Tendo-se levantado Jacó, cedo, de madrugada, tomou a pedra que havia posto por travesseiro, e a erigiu em coluna, sobre cujo topo entornou azeite. E o lugar, cidade que outrora se chamava Luz, deu o nome de Betel. Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa para que me vista, de maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então o Senhor será o meu Deus; e a pedra que erigi por coluna, será a casa de Deus; e de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo”. Gênesis 28:10-22.

 

Desta maneira singela, o evangelho, as boas novas foram transmitidas com mais amplitude à Jacó. Que lições podemos tirar disso quanto à essência da palavra Religião, ou Religar? Quem é a ponte de ligação? O profeta Isaías, em seu maravilhoso livro inspirado, nos dá uma noção para que possamos entender melhor pontos ou assuntos da Bíblia. Leiamos: “Porque é preceito sobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e mais regra: um pouco aqui um pouco ali.”

 

A resposta sobre a ponte de ligação está em outro lugar; como disse Isaías, “um pouco aqui um pouco ali.” No novo testamento, no evangelho de João 1:43-51, lemos o seguinte: “No dia imediato, resolveu Jesus partir para a Galiléia, e encontrou a Filipe, a quem disse: Segue-me”. Ora Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro. Filipe achou a Natanael e disse-lhe: Achamos aquele de quem Moisés escreveu na lei, e a quem se referiram os profetas, Jesus, o nazareno, filho de José. Perguntou-lhe Natanael: De Nazaré pode sair alguma coisa boa? Respondeu-lhe Filipe: Vem e vê. Jesus viu Natanael aproximar-se e disse a seu respeito: Eis um verdadeiro israelita em quem não há dolo! Perguntou-lhe Natanael: Donde me conheces? Respondeu-lhe Jesus: Antes que Filipe te chamasse, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira. Respondeu-lhe Natanael: Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és rei de Israel. Ao que lhe disse Jesus: Porque te disse: Vi-te debaixo da figueira, crês? coisas maiores do que estas verás. E acrescentou: Em verdade, em verdade vos digo que vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem.

 

“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” I Timóteo 2:5.

 

“Ele (Jesus) fez uma ponte sobre o golfo feito pelo pecado e ligou a Terra e o Céu. Em Sua natureza humana, Ele manteve a pureza do Seu caráter divino.” YI. 02/06/1898 – (QOD.) pág. 650. (Ellen G. White)

 

Caro leitor, crê você nisso? A mesma afirmação de Jesus para Natanael, Ele lhe faz agora. Jesus Cristo está vivo. Ele morreu na cruz por nós e ressuscitou. Aceite-o pela fé. Ele é a “Ponte” sobre o abismo. Amém.

Leia Mais

parabola_img_destac

Reavivamento e Reforma – Um Convite ao Estudo da Parábola das Dez Virgens e Clamor da Meia-Noite

Não é exagero dizer que o tema da “Parábola das Dez Virgens & Clamor da Meia-Noite” é um dos mais essenciais para o adventismo de hoje, bem como um dos temas mais carentes de estudo aprofundado. A presente literatura que está agora ao alcance do leitor, chega a fim de remediar a falta de materiais que se aprofundam na aplicação profética desta parábola. Aplicação esta que tem relação intima com a história do movimento adventista.

Por que seria esse assunto um dos mais essenciais para nossos dias?

Antes de ser respondida esta pergunta, devemos analisar alguns textos da pena de Ellen G. White: (mais…)

Leia Mais