reflexoes_2020

Código de Civilidade

O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem.
Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Romanos 12:9-10.

 

As mais valiosas regras para o intercâmbio social e de família podem ser encontradas na Bíblia. Nela se encontra não apenas a mais pura e melhor norma de moralidade, mas também o mais valioso código de civilidade. No sermão do Monte, feito por nosso Salvador, contém instrução de incalculável valor para adultos e jovens. Devia ser lido sempre em família e seus preciosos ensinamentos exemplificados na vida diária. A regra de ouro: ”Tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós” (Mat. 7:12), bem como a ordem apostólica: ”Preferindo-vos em honra uns aos outros” (Rom. 12:10), deve tornar-se a lei da família. Os que estimam o espírito de Cristo manifestarão polidez no lar, um espírito de benevolência mesmo nas pequenas coisas. Estarão constantemente procurando tornar todos felizes ao seu redor, esquecendo de si mesmos em sua bondosa atenção para com os outros. Este é o fruto que nasce na árvore cristã. (ST, 1 de julho de 1886). Lar Adventista, 423-424.

O homem que sinceramente teme a Deus preferiria trabalhar noite e dia, sofrer privação e comer o pão da pobreza do que condescender com a obsessão pelo ganho que oprimiria a viúva e o órfão ou destituiria o estranho de seu direito. Os crimes que são cometidos por causa do amor à exibição e ao dinheiro transformam este mundo num covil de ladrões e salteadores e fazem os anjos chorarem. Mas os cristãos são peregrinos na Terra; estão em terra estranha, parando, por assim dizer, por apenas uma noite. Nosso lar está nas mansões que Jesus foi preparar-nos. Esta vida é apenas um vapor que se desfaz.

A aquisição de propriedade torna-se uma mania para alguns. Toda vez que a regra áurea é violada, Cristo é maltratado na pessoa de Seus santos. Toda vantagem tirada dos semelhantes, sejam eles santos ou pecadores, permanecerá como fraude no livro de registro do Céu. Testemunhos para a Igreja, Vol. 4, 490.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 11 de dezembro de 2020.

Leia Mais

reflexoes_2020

Promessa Três Vezes Dada

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Mateus 7:7.

 

A fim de não deixar margem alguma à incredulidade, à má compreensão ou a uma errônea interpretação de Suas palavras, o Senhor repete a promessa três vezes dada. Ele almeja que aqueles que buscam a Deus creiam nAquele que é capaz de fazer todas as coisas. Acrescenta, portanto: ”Porque aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre.” Mat. 7:8.

O Senhor não especifica nenhuma condição a não ser que tenhais fome de Sua misericórdia, desejo de conselhos Seus, e aneleis o Seu nome. ”Pedi.” Mat. 7:7. O pedir manifesta o reconhecimento que tendes de vossa necessidade; e, se pedis com fé, recebereis. O Senhor empenhou Sua palavra, e esta não pode falhar. Se a Ele vos chegais com sincera contrição, não tendes que pensar ser presunção de vossa parte o pedir aquilo que o Senhor prometeu. Quando pedis as bênçãos de que necessitais a fim de aperfeiçoar um caráter segundo a imagem de Cristo, o Senhor vos garante que pedis em harmonia com uma promessa que se cumprirá. O fato de vos reconhecerdes pecador, é base suficiente para implorardes Sua compaixão e misericórdia.

A condição sob que vos deveis apresentar a Deus, não é que haveis de ser santos, mas que desejais que Ele vos limpe de todo pecado, e vos purifique de toda iniqüidade. O argumento que podemos alegar agora e sempre é nossa grande necessidade, nossa condição de completa impotência, o que O torna, a Ele e a Seu poder redentor, uma necessidade. O Maior Discurso de Cristo, 130-131.

Ao princípio do dia, não negligencieis, queridos jovens, o orar fervorosamente a Jesus, a fim de que vos comunique força e graça para resistir às tentações do inimigo sob qualquer forma que possam vir; e se orardes fervorosamente, com fé e contrição da alma, o Senhor vos ouvirá a oração. Mas deveis vigiar da mesma maneira que orar. Mensagens aos Jovens, 122-123.

Uma luta tem de ser travada contra cada mau traço de caráter; e então o crente poderá prevalecer-se da promessa: “Pedi, e dar-se-vos-á.” Mateus 7:7. Testemunhos para a Igreja, Vol. 6, 95.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 16 de outubro de 2020.

Leia Mais

reflexoes_2020

Pérolas aos Porcos

Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem. Mateus 7:6.

 

Jesus Se refere aqui a uma classe que não experimenta desejo de escapar à servidão do pecado. Pela condescendência com o que é corrupto e vil, sua natureza tornou-se tão degradada, que se apegam ao mal, e dele não se separam. Os servos de Cristo não se devem deixar entravar por aqueles que só fariam do evangelho um objeto de contenção [luta] e ridículo. O Maior Discurso de Cristo, 129.

Os anjos choram ao ver a verdade preciosa de origem celeste lançada aos porcos, para ser apanhada por eles e pisada na lama e na sujeira. “Nem deiteis aos porcos as vossas pérolas; para que não as pisem e, voltando-se, vos despedacem.” Mateus 7:6. Estas são as palavras do Redentor do mundo. Testemunhos para a Igreja, Vol. 3, 425.

O Salvador, porém, jamais passou por alto uma alma disposta a receber as preciosas verdades do Céu, por mais abismada que esteja essa alma no pecado. Para publicanos e meretrizes, foram Suas palavras o início de uma vida nova. Maria Madalena, de quem Ele expulsou sete demônios, foi a última a deixar o sepulcro do Salvador, e a primeira a ser por Ele saudada na manhã da ressurreição. Foi Saulo de Tarso, um dos mais decididos inimigos do evangelho, que se tornou Paulo, o consagrado ministro de Cristo. Sob uma aparência de ódio e desprezo, mesmo sob o crime e a degradação, pode-se achar oculta uma alma que a graça de Cristo haja de redimir, para brilhar como uma jóia na coroa do Redentor. O Maior Discurso de Cristo, 129-130.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 9 de outubro de 2020.

Leia Mais

reflexoes_2020

Tirando a Trave

Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão. Mateus 7:5.

Aqueles que mais prontos estão para desculpar-se ou justificar-se no pecado, são muitas vezes os mais severos ao julgar e condenar os outros. Patriarcas e Profetas, 625.

Se Cristo está em vós, a ”esperança da glória” (Col. 1:27), não estareis dispostos a observar os outros, a expor-lhes os erros. Em lugar de procurar acusar e condenar, tereis como objetivo ajudar, beneficiar, salvar. Ao lidar com os que se encontram em erro, atendereis à recomendação: Olha ”por ti mesmo, para que não sejas também tentado”. Gál. 6:1. Procurareis lembrar as muitas vezes que tendes errado, e quão difícil vos foi achar o caminho certo uma vez que dele vos havíeis apartado. Não impelireis vosso irmão para mais densas trevas mas, coração cheio de piedade, falar-lhe-eis do perigo em que está.

Aquele que olha muitas vezes para a cruz do Calvário, lembrando-se de que seus pecados para ali levaram o Salvador, nunca buscará calcular a extensão de sua culpa em comparação com a de outros. Não se considerará como juiz para acusar a outros. Não haverá espírito de crítica ou exaltação do próprio eu por parte daqueles que andam à sombra da cruz do Calvário.

Enquanto não vos sentirdes dispostos a sacrificar o amor-próprio e mesmo dar a própria vida para salvar um irmão em erro, não tirastes a trave do próprio olho de maneira a estar preparados para ajudar a um irmão. Quando assim fizerdes, podeis aproximar-vos dele, e tocar-lhe o coração. Pessoa alguma já foi conquistada de um caminho errado por meio de censura e acusações; mas muitos têm sido afastados de Cristo, e levados a cerrar o coração contra a convicção da culpa. Um espírito brando, uma suave e cativante atitude, pode salvar o errado, e cobrir uma multidão de pecados. A revelação de Cristo em vosso caráter terá um poder transformador sobre todos com quem entrardes em contato. Seja Cristo diariamente manifestado em vós e Ele revelará por vosso intermédio a energia criadora de Sua palavra – uma delicada, persuasiva e todavia poderosa influência para regenerar outras almas segundo a beleza do Senhor nosso Deus. O Maior Discurso de Cristo, 128-129.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 2 de outubro de 2020.

Leia Mais

reflexoes_2020

O Primeiro a Suspeitar

Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Mateus 7:4.

 

O pecado que conduz aos mais infelizes resultados, é o espírito frio, crítico, irreconciliável que caracteriza o farisaísmo. Quando a experiência religiosa é destituída de amor, aí não Se encontra Jesus; aí não está a luz de Sua presença. Nenhuma atarefada atividade ou zelo sem Cristo pode suprir a falta. Haverá talvez uma admirável percepção para descobrir os defeitos dos outros mas a todos quantos condescendem com esse espírito. […] Aquele que é culpado de erro, é o primeiro a suspeitar do erro. Condenando o outro, está ele procurando ocultar ou desculpar o mal do próprio coração. Foi por meio do pecado que os homens adquiriram o conhecimento do mal; tão depressa havia o primeiro par pecado, começaram a se acusar um ao outro e é isto que a natureza humana inevitavelmente fará, quando não se ache controlada pela graça de Cristo. O Maior Discurso de Cristo, 126.

Jesus manda que o acusador tire primeiro a trave de seu olho, renuncie a seu espírito de crítica, confesse e abandone o próprio pecado, antes de procurar corrigir a outros. Porque ”não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto”. Luc. 6:43. Esse espírito de acusação com que condescendeis é um fruto mau, e mostra que é má a árvore. Inútil vos é edificar-vos sobre a justiça própria. O que necessitais é mudança de coração. Precisais dessa experiência antes de vos achardes habilitados a corrigir os outros pois ”do que há em abundância no coração, disso fala a boca”. Mat. 12:34.

Ao sobrevir uma crise na vida de qualquer alma, e tentardes dar conselho ou advertência, vossas palavras só exercerão, no bom sentido, o peso e a influência que vos houverem adquirido vosso exemplo e espírito. Precisais ser bons para que possais fazer o bem. Não vos será possível influenciar os outros a se transformarem enquanto vosso coração não se houver tornado humilde, refinado e brando por meio da graça de Cristo. Quando esta mudança se houver operado em vós, ser-vos-á tão natural viver para beneficiar a outros, como o é para a roseira dar suas perfumosas flores, ou a videira produzir purpurinos cachos. Idem, 127-128.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 25 de setembro de 2020.

Leia Mais

reflexoes_2020

O Dever e o Amor

E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho? Lucas 6:41.

 

Nem mesmo a sentença ”Tu, que julgas, fazes o mesmo” (Rom. 2:1), alcança a magnitude do pecado daquele que presume criticar e condenar a seu irmão. Jesus disse: ”Por que reparas tu no argueiro que está no olho de teu irmão e não vês a trave que está no teu olho?” Mat. 7:3.

Suas palavras se aplicam à pessoa que é pronta em discernir um defeito nos outros. Quando pensa que descobriu uma imperfeição no caráter ou na vida, é extremamente zelosa em buscar apontá-la; mas Jesus declara que o próprio traço de caráter desenvolvido pelo fazer esta obra anticristã é, em comparação com a falta criticada, como uma trave em comparação com um argueiro. É a própria falta do espírito de paciência e amor que o leva a fazer um mundo de um simples átomo. Aqueles que nunca experimentaram a contrição de uma completa entrega a Cristo, não manifestam em sua vida a suavizadora influência do amor do Salvador. Representam mal o brando, cortês espírito do evangelho, e ferem almas preciosas, por quem Cristo morreu. Segundo a figura empregada por nosso Salvador, aquele que condescende com o espírito de censura é culpado de um pecado maior do que aquele a quem acusa; pois não somente comete o mesmo pecado, como acrescenta ao mesmo presunção e espírito de crítica. O Maior Discurso de Cristo, 125.

Devem vencer o hábito de criticar pequenas coisas que julgam erradas. Sejam tolerantes, generosos e caridosos no julgamento de pessoas e coisas. Abram o coração à luz. Lembrem-se de que o Dever tem um irmão gêmeo –o Amor; unidos, ambos podem realizar quase tudo; mas, separados, nenhum é capaz de fazer o bem. […]

Vocês devem ser firmes em seguir os ditames de uma consciência esclarecida e suas convicções do dever; mas também guardar-se contra a intolerância e o preconceito. Não adotem um espírito farisaico. Testemunhos para a Igreja, Vol. 4, 62.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 18 de setembro de 2020.

Leia Mais

a pergunta mais importante_times

A Pergunta Mais Importante

Uma pergunta, a mais importante, é certamente a que se faz em relação ao que é “essencial” ao homem. E o que é isso? É porventura o dinheiro? Poucos há que não se preocupam com a questão: “Como ficarei rico?” Mas há muitos ricos que, desenganados pelos médicos, dariam toda a sua fortuna em troca da saúde perdida. Por aí o prezado leitor observa que a saúde é mais importante do que o dinheiro.

Outros há que possuem dinheiro e saúde, mas a desarmonia no lar os torna infelizes. A felicidade é, pois, mais importante do que o Dinheiro. O dinheiro não faz a felicidade de ninguém, como se vê pelo fato de haver ricos que se suicidam de desespero.

Ainda há uma terceira coisa mais importante que o dinheiro. Disse uma vez alguém que, entre o dinheiro e a inteligência, preferiria a última, pois tendo inteligência, ganharia dinheiro. E quem não conhece pelo menos uma pessoa que perdeu toda sua fortuna, sem poder, por falta de inteligência, reconquistá-la? E quem não conhece pelo menos uma pessoa que, perdendo seus haveres, logo se recuperou, graças à sua inteligência? Por estes exemplos o estimado leitor verá que, na vida do homem, há muitas coisas que em importância superam o possuir dinheiro.

Mas, que tal possuir todas estas quatro coisas conjuntamente? O ideal parece avançado, todavia ainda não está. Há outra coisa infinitamente mais importante, sem a qual nada vale a saúde, o amor no lar, a inteligência, o dinheiro e tudo quanto o homem possui. Disse uma vez o Mestre dos mestres: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?” Mateus 16:26. Veja, caro leitor, que possuir muitos bens e outras coisas mais, e não ter a vida eterna, equivale a não possuir nada.

Colocar qualquer empreendimento terreno em primeiro lugar e a imortalidade em segundo plano equivale a dar preferência à escória e rejeitar o ouro. A coisa principal ao homem é a imortalidade. Todas as outras coisas são secundárias. Todo aquele que se entrega aos prazeres terrenos, à busca de riquezas deste mundo, ou a qualquer outro empreendimento secular, em vez de buscar em primeiro lugar a imortalidade está desperdiçando os preciosos momentos de sua vida. Um dia verá que teve uma existência inútil, pois não aproveitou o privilégio ao seu alcance. Fez tudo, mas deixou de o essencial. Não adquiriu a vida eterna.

Então qual é a pergunta mais importante? É a que um príncipe fez ao Senhor Jesus Cristo: “Mestre, que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna?” Mateus 19:16. Pergunta equivalente a esta foi também, certa vez, feita por um carcereiro aos apóstolos Paulo e Silas: “Senhores, que devo fazer para que seja salvo?” Atos 16:30.

Esta é a mais importante, mais sublime e, mais sábia pergunta que um homem pode fazer, e é a que todos os homens, cedo ou tarde, farão direta ou indiretamente a Deus. Você já pensou alguma vez seriamente sobre isto?

Quando o carcereiro fez esta pergunta, de máxima importância, aos apóstolos eles lhe responderam: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa.” Atos 16:31. Somente por meio dEle alcançamos a salvação e a vida. ”Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida ”, disse o Senhor Jesus. “ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14:6. “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá;” João 11:25. E nosso Senhor, por Sua vez, quando abordado pelo príncipe com a pergunta: “que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna?”, apresentou esta condição, “Se … queres entrar na vida guarda os mandamentos” Mateus 19:17. A  salvação nos é concedida sob condição de obediência, pois o Senhor, pela Sua morte, “veio a ser causa de eterna salvação”, não para os desobedientes, mas “para todo os que Lhe obedecem” Hebreus 5:9. Pela Sua graça, guardemos os mandamentos para evitarmos o pecado, pois, “O Pecado é a transgressão da Lei.” I João 3:4.            

“Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados; pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários.” Hebreus 10:26-27. Para entrarmos na vida eterna, necessário é que evitemos o pecado, e para o evitarmos é necessário que saibamos exatamente o que é e o que não é pecado, a fim de que não pratiquemos atos pecaminosos pensando que são permitidos, e atos permitidos pensando que são atos pecaminosos. A Escritura Sagrada não nos deixa em trevas sobre isto. Disse o apóstolo Paulo que “pela Lei vem o conhecimento do pecado” (Romanos 3:20). Sobre qualquer ato que quisermos saber se é pecado, ou não, é só consultar a Lei de Deus – Êxodo cap. 20.

Leia Mais