reflexoes_2020

Pérolas aos Porcos

Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem. Mateus 7:6.

 

Jesus Se refere aqui a uma classe que não experimenta desejo de escapar à servidão do pecado. Pela condescendência com o que é corrupto e vil, sua natureza tornou-se tão degradada, que se apegam ao mal, e dele não se separam. Os servos de Cristo não se devem deixar entravar por aqueles que só fariam do evangelho um objeto de contenção [luta] e ridículo. O Maior Discurso de Cristo, 129.

Os anjos choram ao ver a verdade preciosa de origem celeste lançada aos porcos, para ser apanhada por eles e pisada na lama e na sujeira. “Nem deiteis aos porcos as vossas pérolas; para que não as pisem e, voltando-se, vos despedacem.” Mateus 7:6. Estas são as palavras do Redentor do mundo. Testemunhos para a Igreja, Vol. 3, 425.

O Salvador, porém, jamais passou por alto uma alma disposta a receber as preciosas verdades do Céu, por mais abismada que esteja essa alma no pecado. Para publicanos e meretrizes, foram Suas palavras o início de uma vida nova. Maria Madalena, de quem Ele expulsou sete demônios, foi a última a deixar o sepulcro do Salvador, e a primeira a ser por Ele saudada na manhã da ressurreição. Foi Saulo de Tarso, um dos mais decididos inimigos do evangelho, que se tornou Paulo, o consagrado ministro de Cristo. Sob uma aparência de ódio e desprezo, mesmo sob o crime e a degradação, pode-se achar oculta uma alma que a graça de Cristo haja de redimir, para brilhar como uma jóia na coroa do Redentor. O Maior Discurso de Cristo, 129-130.


Esta publicação está presente nas Reflexões Semanais 2020, para o pôr-do-sol de 9 de outubro de 2020.

Leia Mais

Capa Sacudidura e Salvação

Lição: Sacudidura e Salvação

Capa Sacudidura e Salvação_curvas
Clique aqui para baixar – Sacudidura e Salvação

A lição de Escola Sabatina “Sacudidura e Salvação”, publicada para o 4º trimestre (outubro-dezembro) de 2020, nos traz os seguintes temas:

  • A Sacudidura Atual e Futura
  • O Peneiramento da Igreja
  • Classe Numerosa
  • Povo Peculiar
  • Os Testemunhos de Ellen G. White
  • Grupos Espúrios
  • As Ciladas de Satanás
  • O Fanatismo da “Carne Santa”
  • O Alfa e o Ômega de Heresias Letais
  • Preparação para a Grande Crise Final
  • Princípios e União

Leia Mais

Duas Leis_capa

A Lei que foi Abolida na Cruz

Lei1

Lei2

Lei3

Lei4

Lei6

Lei7

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Aquele que procura tornar-se santo por suas próprias obras, guardando a lei, tenta o impossível. Tudo que o homem possa fazer sem Cristo, está poluído de egoísmo e pecado. É unicamente a graça de Cristo, pela fé, que nos pode tornar santos.

O erro oposto e não menos perigoso é o de que a crença em Cristo isente o homem da observância da lei de Deus; que, visto como só pela fé é que nos tornamos participantes da graça de Cristo, nossas obras nada têm que ver com nossa redenção.

Mas notai aqui que a obediência não é mera aquiescência externa, mas sim o serviço de amor. A lei de Deus é uma expressão de Sua própria natureza; é uma corporificação do grande princípio do amor, sendo, daí o fundamento de Seu governo no Céu e na Terra. Se nosso coração é renovado à semelhança de Deus, se o amor divino é implantado na alma, não será então praticado na vida a lei de Deus? Implantado no coração o princípio do amor, renovado o homem segundo a imagem dAquele que o criou, cumpre-se a promessa do novo concerto: “Porei as Minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos.” Heb. 10:16. E se a lei está escrita no coração, não moldará ela a vida? A obediência – nosso serviço e aliança de amor – é o verdadeiro sinal de discipulado. Assim diz a Escritura: “Porque esta é a caridade [ou amor] de Deus: que guardemos os Seus mandamentos.” I João 5:3. “Aquele que diz: Eu conheço-O e não guarda os Seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade.” I João 2:4. Caminho a Cristo, 60. (Ellen G. White)

Leia Mais

a pergunta mais importante_times

A Pergunta Mais Importante

Uma pergunta, a mais importante, é certamente a que se faz em relação ao que é “essencial” ao homem. E o que é isso? É porventura o dinheiro? Poucos há que não se preocupam com a questão: “Como ficarei rico?” Mas há muitos ricos que, desenganados pelos médicos, dariam toda a sua fortuna em troca da saúde perdida. Por aí o prezado leitor observa que a saúde é mais importante do que o dinheiro.

Outros há que possuem dinheiro e saúde, mas a desarmonia no lar os torna infelizes. A felicidade é, pois, mais importante do que o Dinheiro. O dinheiro não faz a felicidade de ninguém, como se vê pelo fato de haver ricos que se suicidam de desespero.

Ainda há uma terceira coisa mais importante que o dinheiro. Disse uma vez alguém que, entre o dinheiro e a inteligência, preferiria a última, pois tendo inteligência, ganharia dinheiro. E quem não conhece pelo menos uma pessoa que perdeu toda sua fortuna, sem poder, por falta de inteligência, reconquistá-la? E quem não conhece pelo menos uma pessoa que, perdendo seus haveres, logo se recuperou, graças à sua inteligência? Por estes exemplos o estimado leitor verá que, na vida do homem, há muitas coisas que em importância superam o possuir dinheiro.

Mas, que tal possuir todas estas quatro coisas conjuntamente? O ideal parece avançado, todavia ainda não está. Há outra coisa infinitamente mais importante, sem a qual nada vale a saúde, o amor no lar, a inteligência, o dinheiro e tudo quanto o homem possui. Disse uma vez o Mestre dos mestres: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?” Mateus 16:26. Veja, caro leitor, que possuir muitos bens e outras coisas mais, e não ter a vida eterna, equivale a não possuir nada.

Colocar qualquer empreendimento terreno em primeiro lugar e a imortalidade em segundo plano equivale a dar preferência à escória e rejeitar o ouro. A coisa principal ao homem é a imortalidade. Todas as outras coisas são secundárias. Todo aquele que se entrega aos prazeres terrenos, à busca de riquezas deste mundo, ou a qualquer outro empreendimento secular, em vez de buscar em primeiro lugar a imortalidade está desperdiçando os preciosos momentos de sua vida. Um dia verá que teve uma existência inútil, pois não aproveitou o privilégio ao seu alcance. Fez tudo, mas deixou de o essencial. Não adquiriu a vida eterna.

Então qual é a pergunta mais importante? É a que um príncipe fez ao Senhor Jesus Cristo: “Mestre, que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna?” Mateus 19:16. Pergunta equivalente a esta foi também, certa vez, feita por um carcereiro aos apóstolos Paulo e Silas: “Senhores, que devo fazer para que seja salvo?” Atos 16:30.

Esta é a mais importante, mais sublime e, mais sábia pergunta que um homem pode fazer, e é a que todos os homens, cedo ou tarde, farão direta ou indiretamente a Deus. Você já pensou alguma vez seriamente sobre isto?

Quando o carcereiro fez esta pergunta, de máxima importância, aos apóstolos eles lhe responderam: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa.” Atos 16:31. Somente por meio dEle alcançamos a salvação e a vida. ”Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida ”, disse o Senhor Jesus. “ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14:6. “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá;” João 11:25. E nosso Senhor, por Sua vez, quando abordado pelo príncipe com a pergunta: “que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna?”, apresentou esta condição, “Se … queres entrar na vida guarda os mandamentos” Mateus 19:17. A  salvação nos é concedida sob condição de obediência, pois o Senhor, pela Sua morte, “veio a ser causa de eterna salvação”, não para os desobedientes, mas “para todo os que Lhe obedecem” Hebreus 5:9. Pela Sua graça, guardemos os mandamentos para evitarmos o pecado, pois, “O Pecado é a transgressão da Lei.” I João 3:4.            

“Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados; pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários.” Hebreus 10:26-27. Para entrarmos na vida eterna, necessário é que evitemos o pecado, e para o evitarmos é necessário que saibamos exatamente o que é e o que não é pecado, a fim de que não pratiquemos atos pecaminosos pensando que são permitidos, e atos permitidos pensando que são atos pecaminosos. A Escritura Sagrada não nos deixa em trevas sobre isto. Disse o apóstolo Paulo que “pela Lei vem o conhecimento do pecado” (Romanos 3:20). Sobre qualquer ato que quisermos saber se é pecado, ou não, é só consultar a Lei de Deus – Êxodo cap. 20.

Leia Mais