Reflexoes_2019

Mansos como Seu Divino Mestre

Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra. (Mateus 5:5).

Há, através das bem-aventuranças, uma progressão na experiência cristã. Os que sentiram sua necessidade de Cristo, os que choraram por causa do pecado, e se sentaram com Cristo na escola da aflição, hão de, com o divino Mestre, aprender a ser mansos.

A paciência e a brandura ao sofrer ofensas, não eram características apreciadas pelos pagãos e pelos judeus. A declaração feita por Moisés sob a inspiração do Espírito Santo, de ser ele o homem mais manso que havia sobre a Terra, não teria sido considerada pelo povo de seu tempo como um louvor; teria antes provocado piedade ou desprezo. Mas Cristo coloca a mansidão entre os primeiros atributos necessários para habitar em Seu reino. Em Sua própria vida e caráter revela-se a divina beleza dessa graça preciosa. O Maior Discurso de Cristo, 13-14. (mais…)

Leia Mais

Reflexoes_2019

O Fim é Salvação

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação; Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus. (II Coríntios 1:3-4).

E também para os que choram em provação e dor, existe conforto. A amargura do desgosto e da humilhação é preferível às satisfações do pecado. Por meio da aflição revela-nos Deus os lugares infeccionados em nosso caráter, para que, por Sua graça, possamos vencer nossas faltas. Desconhecidos capítulos que nos dizem respeito são-nos patenteados, e sobrevém a prova, a ver se aceitamos a repreensão e o conselho de Deus. Quando provados, não nos devemos afligir e impacientar. Não nos devemos rebelar, ou buscar fugir à mão de Cristo. Antes humilhar a alma perante Deus. […] Os caminhos do Senhor são de misericórdia, e o fim é salvação. O Desejado de Todas as Nações, 301. (mais…)

Leia Mais

choro

A Consolação dos Tristes

Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados. (Mateus 5:4).

Por essas palavras Cristo não ensina que o chorar em si mesmo tenha poder para remover a culpa do pecado. Não sanciona a suposta ou voluntária humildade. O choro a que Se refere, não consiste em melancolia e lamentação. Ao passo que nos afligimos por causa do pecado, cumpre-nos regozijar-nos no precioso privilégio de ser filhos de Deus.

Entristecemo-nos muitas vezes, porque nossas más ações nos trazem desagradáveis conseqüências; mas isso não é arrependimento. A verdadeira tristeza pelo pecado é o resultado da operação do Espírito Santo. Este revela a ingratidão da alma que menosprezou e ofendeu o Salvador, levando-nos contritos ao pé da cruz. Por todo pecado é Jesus novamente ferido; e ao olharmos Àquele a quem traspassamos, choramos as transgressões que Lhe trouxeram angústia. Tal pranto levará à renúncia do pecado. (mais…)

Leia Mais

lendo-e-aprendendo

Lendo e Aprendendo

Nos estudas desta lição serão aprendidas lições práticas tendo de pano de fundo sempre algum personagem bíblico. Se aprenderá o que é o amor genuíno que se revela em amor a Deus e aos nossos semelhantes. O que é “temperança” e como ela é importante para nossa vida física e espiritual. Também acerca do arrependimento, da confiança em Deus, o valor da oração, a necessidade de recebermos o grande poder do Espírito Santo em nossa vida, bem como muitas outras valiosas lições. (mais…)

Leia Mais

Herois-da-fe-IV_Defendendo-a-verdade

Heróis da Fé IV

Nesta última parte da série “Heróis da Fé”, diversas histórias e lições são aprendidas. Temos o Martírio do nobre reformador francês Luís de Berquin. O competente ministério de João Calvino na cidade suíça de Genebra. São ainda apresentados os reformadores: Meno Simons da Holanda, Taussen da Dinamarca, os irmãos Olavo e Lourenço Petri da Suécia, Tyndale da Inglaterra, João Knox da Escócia. Por fim, mais adiante na história, temos João Wesley, o pregador da santificação, procurando reavivar o povo protestante.

(mais…)

Leia Mais

Herois-da-fe-III_Castelo-forte

Heróis da Fé III

Conheça mais acerca dos reformadores Martinho Lutero e Ulrico Zwínglio. São relatadas as experiências de Lutero no Castelo Wartburgo quando se dedicou à tradução da Bíblia para sua língua materna. Posteriormente ele compôs um hino que fazia a comparação da proteção de Deus a um castelo bem fortificado. A história do reformador suíço Zwínglio é apresentada desde a infância até o momento em que ele se torna luz em meio às trevas quando começa a entender que os ensinamentos bíblicos eram contrários aos que a igreja infiel ensinava e praticava.

(mais…)

Leia Mais

Reflexoes_2019

Humildes de Espírito

Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. (Mateus 5:3).

As primeiras palavras de Cristo ao povo, no monte, foram de bênção. Bem-aventurados, disse, são os que reconhecem sua pobreza espiritual, e sentem sua necessidade de redenção. […]

”Porque assim diz o Alto e Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é santo: Num alto e santo lugar habito, e também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos.” Isa. 57:15. O Desejado de Todas as Nações, 299-300. (mais…)

Leia Mais