Capa Divindade Triúna_2

A Natureza sem Pecado de Jesus

 Nisto conhecereis o Espírito de Deus:
Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus.
(I João 4:2).      

 

A Divindade não Se tornou humana, e o humano não foi deificado pela fusão das duas naturezas. Cristo não possuía a mesma deslealdade pecaminosa, corrupta e decaída que nós possuímos, pois então Ele não poderia ser um sacrifício perfeito. (Man. 94, 1893). Mensagens Escolhidas, Vol. 3, 131.

Jesus foi em todas as coisas feito semelhante a Seus irmãos. Tornou-Se carne, da mesma maneira que nós. Tinha fome, sede e fadiga. Sustentava-Se com alimento e refrigerava-Se pelo sono. Era Deus em carne. Desejado de Todas as Nações, 311.

Quando Jesus tomou a natureza do ser humano e Se achava reconhecido em figura humana, Ele assumiu todo o organismo humano. Suas necessidades eram as de um homem. Ele tinha necessidades físicas a serem supridas, cansaço físico a ser aliviado. (Carta 32, 1899). Comentário Bíblico, Vol. 5, 1130.

O plano de Deus, delineado para a salvação do homem, previa que Cristo conhecesse a fome, a pobreza e todos os aspectos da experiência do homem. (Review and Herald, 18 de fevereiro de 1890). Mensagens Escolhidas, Vol. 1, 408-409.

Jesus aceitou a humanidade quando a raça havia sido enfraquecida por quatro mil anos de pecado. Como qualquer filho de Adão, aceitou os resultados da operação da grande lei da hereditariedade. Desejado de Todas as Nações, 49.

Cristo, o segundo Adão, veio em semelhança de carne pecaminosa. Em benefício do homem, tornou-Se sujeito à tristeza, ao cansaço, à fome e à sede. Era sujeito à tentação, mas não cedeu ao pecado. NEle não havia nenhuma mancha de pecado. (Man. 99, 1903). Mensagens Escolhidas, Vol. 3, 141-142.

Ele deveria tomar sua posição como o cabeça da humanidade, tomando a natureza, mas não a pecaminosidade do homem. (Signs of the Times, 29 de maio de 1901). Comentário Bíblico, Vol. 7, 912.